Saturday, December 21, 2002

Mal voce foi embora e já sinto saudades.
Olhei pra sua foto hoje, e pensei nos anos que se foram. Nas noites em que passamos bebendo cerveja e rindo um para o ourtro, hesitando em assumir um beijo.
Tudo sempre acabava bem dentro de seu carro depois de uns copos de qualquer coisa que fosse alcólica. O que você chamaria de copos de coragem...
Você participa de todas as minhas fantasias, de todos os meus maiores desejos. Quero você, de um jeito que só as coisas escondidas são obcecadas.
Gostaria de mandar tudo para o alto e dizer pra todo mundo que você me faz sorrir, que seu rosto é lindo, que seu beijo é doce, que sua voz é tudo.
Que essa sua sinceridade me possui e me consome, essa forma de me querer me deixa tonta. Que é excelente pensar em você.
Mas quase tudo é perfeito... a não ser os malditos OUTROS. Que nos afastam, nos separam. Separam não por causa de um impedimento, pois somos livres. Também não por causa de raça, cor, religião... Mas porque... por que? Simplesmente não combinamos...
E aposto que voce, leitor, deve achar que eu sou forte o suficiente para mandar tudo para a ilha do coco verde, mas não sou...
Ao invés de correr atras do que acho certo, fico devaneando sobre o que as pessoas acham certo, com medo de pegar essa pessoa maravilhosa pela mão e beijá-lo no shopping, na rua, ou traze-lo para jantar em casa.
E agora ele me falta... por alguns dias... e tudo que eu tenho é sua foto... e um relógio para lembra-me que falta ainda alguns dias para eu poder tocar naquele rosto lindo de cetim e sentir sua boca de maça, ve-lo pedir um cigarro e provocar meus instintos. Longe de qualquer público....